Receitas light: Salada de pepino

Image

O verão continua ai, delicioso, esbanjando de calor. O carnaval está quase ai. Então, nada melhor que uma salada refrescante e light para fazer, não? O Studio do Sabor tem uma receita super fácil de uma saladinha imperdível de pepino. Vem na nossa:

Ingredientes:

  • 4 pepinos cortados em fatias
  • 4 colheres de sopa de iogurt grego
  • 1 colher de sopa de vinagre
  • 1 colher de sopa de dill(endro)
  • 1/2 colher de sopa de açucar
  • 1/2 colher de chá de sal
  • 1/2 colher de chá de pimenta

Modo de fazer: junte tudo na tigela, misture e aproveite 🙂 

 

Cozinha brasileira: Receita de escondidinho

Image

O Brasil tem uma culinária maravilhosa, com pratos cheios de sabor. Então, nas segundas, vamos compartilhar algumas das principais receitas do cozinha brasileira com vocês. O primeiro escolhido do Studio do Sabor é o Escondidinho, aquele bem tradicional, de carne seca com mandioca que nasceu no Pernambuco e depois se espalhou pelo país ganhando diversas variações. 

Essa receita de escondidinho serve 4 pessoas. Os ingredientes:

  • 600 g de carne do sol
  • 1 kg de mandioca sem casca
  • 100 g de manteiga
  • 1 cebola picada
  • 2 dentes de alho picados
  • 2 xícaras de leite
  • 2 xícaras de queijo coalho picado
  • Sal a gosto

Modo de preparo:

  1. Lave bem a carne para retirar o excesso do sal por fora da carne. O ideal é deixar a carne de molho por 6 horas, trocando a água a cada duas. 
  2. Escorra a carne, coloque numa panela com água e cozinhe até ficar macia. Reserve e desfie a carne. 
  3. Corte a mandioca em pedaços, coloque em uma panela com água e sal no fogo alto para cozinhar até ficar macia.
  4. Preaqueça o forno a 180ºC.
  5. Coloque em uma frigideira a manteiga, a cebola, o alho e a carne para fritar até dourar. Reserve.
  6. Coloque a mandioca e o leite no liquidificador e bata bem, até virar uma mistura homogênea.
  7. Em um refratário grande, coloque uma camada de purê de mandioca e uma camada de carne por cima. Repita o processo até acabar. O purê é a última camada.
  8. Polvilhe o queijo coalho em cima do escondidinho e leve ao forno para gratinar. Uns 20 minutos no forno é suficiente para gratinar.
  9. Agora é só servir 🙂 

Receitas para o verão

Image 

Hoje nós aqui da cozinha do Studio do Sabor vamos compartilhar com vocês mais um drink, confira os outros aqui, para refrescar esse calor de 40 graus que está fazendo aqui em São Paulo e uma comidinha light para acompanhar a bebida. 

Primeiro, que tal um Ice Tea com um twist? Para essa receita super fácil você vai precisar de:

-1 litro de água

-Chá de hibisco (em folhas)

-3/4 de copo de vodka (ou soda)

– 2 colheres de sopa de gengibre ralado

– 3 colheres de sopa de mel

-gelo

Modo de fazer:

1. Ferva a água e junte as folhas do chá, tampe e espere o chá pegar sabor resfriar um pouco. 

2. Tire as folhas e junte o gengibre e o mel, misture bem. 

3. Deixe na geladeira para esfriar, na hora de servir, junte a vodka ou a soda e o gelo e decore com um pedaço de gengibre. 

Para acompanhar essa maravilhosa e refrescante bebida, um aperitivo light e super fácil de fazer! Aqui vai a receita:

  • 1 colher de sopa de suco de limão
  • 1/2 colher de chá raspas de limão
  • 1 colher de sopa de azeite de oliva
  • 2 colheres de chá de folhas de menta finamente fatiadas 
  • 1 dente de alho finamente cortado 
  • 1/2 kilo de queijo feta cortado em cubos de 3/4 cm 
  • 1/2 pepino, cortado em pequenas tiras 
  • 1/2 kilo de tomates cereja
  • 1 xícara de azeitonas pretas sem caroço

Modo de preparo:

1. Junte o suco de limão, o azeite de oliva, as raspas de limão, a menta e o alho e despeje por cima do queijo. Deixe marinar.

2. Corte os tomates na metade, assim como as azeitonas e corte os pepinos em tiras pequenas. 

3. Coloque os ingredientes em palitos, alternando-os. Coloque os cubos do feta delicadamente, para que eles não quebrem. 

Agora, é só juntar com a bebida e pronto, um happy hour super light e refrescante 😉 

Mousse de chocolate

Image

Fácil, fácil essa mousse de chocolate do Studio do Sabor.

Dá 6 porções.

Ingredientes:

160g de chocolate meio-amargo

5 ovos em temperatura ambiente

1/4 de xícara de açúcar

2 colheres (sopa) de café forte

1 colher (sopa) de leite / ou 3 colheres (chá) de leite e 1 colher (chá) de essência de baunilha

Modo de fazer:

Numa panelinha, quebre o chocolate em pedacinhos e junte o café e o leite. Em fogo lento, espere derreter, mexendo sempre, até ficar aveludado. Retire e reserve. Na tigela pequena da batedeira, bata as gemas até ficarem claras e fofas, juntando o açúcar aos poucos batendo sempre. Adicione a baunilha e  a mistura do chocolate já fria e misture bem. À parte, junte uma pitada de sal às claras em neve e bata em neve firme. Junte as claras à mistura de chocolate, misturando lentamente. Leve para gela e decore como raspas de chocolate ou chantilly. Bom apetite!

Receita de pão de queijo

pao-de-queijoQuem não ama um bom pão de queijo?

É uma maravilha, gostoso a qualquer hora do dia, principalmente no final de semana, quando reunimos as crianças e avós para um lanche.

Hoje, o Studio do Sabor ensina a fazer pão de queijo! E você sabia que esse aperitivo é totalmente sem glúten, ou seja, indicado para qualquer pessoa.

Primeiro, os ingredientes:

– 1 xícara de leite integral

– 1/2 de óleo vegetal

1 colher de chá de sal

– 2 xícaras de farinha de tapioca

– 2 ovos

– 1 e 1/2 xícaras de parmessão

Modo de fazer:

Preaqueça o forno a 230º e unte uma assadeira grande

Esquente em uma panela o leite, o óleo e o sal, misturando ocasionalmente até ferver, então, desligue o fogo. Adicione a farinha de tapioca e misture até ficar homogêneo.

Coloque a massa em uma batedeira e bata por alguns minutos na velocidade média até ficar lisa e fria.

Mexa os ovos em uma pequena tigela e depois junte-os na batedeira, em duas sessões. Junte o queijo e bata até ele ser totalmente incorporado à massa.

Usando uma colher separe a massa em pequenas bolas (para não grudar, passe antes a colher na água) e coloque na assadeira com 2 cm de distâcia entre elas.

Asse-os por 25 a 30 minutos.

Facinho, não? Então bora fazer! E também, bora virar uma cozinheira de mão cheia com as aulas de culinária do Studio do Sabor!

Cadastre seu email para receber todas as novidades do Studio: studio@studiodosabor.com.br

Dicas para o bolo perfeito

Fazer o bolo crescer e ficar fofinho não é assim tão fácil! O Studio do Sabor sabe disso e vai compatilhar com vocês algumas dicas para o seu bolo sair pefeito.

Image

Primeiro, é necessário prestar atenção aos ingredientes da receita, às quantidades e à qualidade. Ovos, leite, açúcar, manteiga, farinha e fermento devem sempre estar na temperatura ambiente. Para os ovos, se eles estiverem muito frios, uma dica é colocá-los em uma tigela com água morna.

É preciso aquecer o forno de 20 a 30 minutos antes de colocar a receita para assar. Mais do que isso, é importante medir a forma e verificar se está de acordo com a que está indicada na receita. Caso contrário a massa pode queimar, ficar muito seca ou esparramar.

Para evitar que o bolo murche, não abra o forno nos primeiros 10 minutos em que a massa estiver assando e depois de pronto, cubra o bolo para evitar as correntes de ar . O truque do palitinho para saber se o bolo está pronto nunca falha. Se o palito sair seco, o bolo está no ponto.

Para garantir que o bolo cresça, verifique antes se o seu fermento está ativo. Para isso, coloque uma pitada em 1/2 copo de água morna, se borbulhar, use o ingrediente sem medo.

Para deixar qualquer bolo melhor ainda, adicionar coberturas e recheios é sempre uma boa pedida 😉

O Studio do Sabor sempre tem aulas deliciosas para você se tornar uma cozinheira de mão-cheia, então, inscreva seu email e receba toda a programação:  http://bit.ly/17ySIdg

Sobre o azeite

azeite

Várias receitas são apresentadas na aula de acompanhamentos variados do Studio do Sabor, entre elas aos delicioso legumes grelhados com azeite de ervas. Vamos saber um pouco mais sobre este ingrediente essencial da cozinha, o azeite:

Azeite de oliva, óleo de oliva ou simplesmente azeite é o produto alimentar, usado como tempero, produzido a partir da azeitona, fruto das oliveiras. Trata-se, de um alimento antigo, clássico da culinária contemporânea, regular na dieta mediterrânea e nos dias atuais presente em grande parte das cozinhas. Além dos benefícios para a saúde o azeite adiciona à comida um sabor e aroma peculiares.

Consumido desde a antiguidade

Ele tem uma história muito parecida com a do vinho. Ambos nasceram na Mesopotâmia e se expandiram pela Antiguidade. A mitologia grega dizia que o vinho foi criado por Baco e o azeite pela deusa Atena. Mas foram os romanos que os espalharam pelo mundo. Os gregos e os romanos sem dúvida descobriram várias aplicações do azeite, com suas múltiplas utilizações na culinária, como medicamento, unguento ou bálsamo, perfume, combustível para iluminação, lubrificante de alfaias e impermeabilizante de tecidos.

Hoje, o Conselho Oleícola Internacional (International Olive Council, ou IOC, na sigla em inglês) registra a existência de 300 tipos de azeitona no mundo e mais de 1000 de óleos de oliva, resultado de diferentes blends. A Espanha é, de longe, o maior produtor do planeta. A região mediterrânea, atualmente, é responsável por 95% da produção mundial de azeite, favorecida pelas suas condições climáticas, propícias ao cultivo das oliveiras, com bastante sol e clima seco.

O Brasil é o sétimo maior importador mundial de azeite e o segundo de azeitonas. Mas este cenário está mudando, hoje há uma vasta pesquisa, especialmente na seleção de variedades mais adequadas às condições brasileiras de clima e na produção de mudas de qualidade, em Minas Gerais e São Paulo. São árvores que já produzem em 3 anos, muito menos dos que o 7 da maioria dos países. E por enquanto o azeite extravirgem fabricado no país ainda tem distribuição restrita.

Como o azeite é obtido

Resulta da prensagem de azeitonas. São necessárias de 1300 a 2000 azeitonas para produzir 250ml de azeite. Grosso modo ,existem duas maneiras de fazer isso. Em ambas, a azeitona é colhida e moída, incluindo o caroço. No método antigo, embebe-se nessa massa úmida uma espécie de capacho de corda, com um furo no meio. Os capachos são empilhados sobre um eixo e prensados, liberando o óleo e a chamada água de vegetação. Pela diferença de densidade, o azeite se destaca da água e é recolhido. O processo moderno se dá por centrifugação. A massa oleosa é diluída pela adição de 1 litro de água por quilo e passa por uma centrífuga horizontal, em que se separa a parte sólida. Depois, a massa líquida vai para uma centrífuga vertical, explica Isaac Azar, especialista em azeite e dono do restaurante Paris 6.

Tipos de azeite

Azar explica os tipos de azeite: “Vamos falar dos chamados virgens, que não têm mistura de nada, senão o óleo retirado da azeitona. Até 0,7% de acidez são classificados como extravirgem. De 0,8% a 1,5%, são virgens comuns. De 1,5% a 3%, o azeite se chama virgem corrente e, acima disso, torna-se virgem lampante, ou seja, aquele óleo usado antigamente nas lamparinas. Para consumo como alimento, só é permitido comercializar diretamente o extravirgem e o virgem. Quando tem acima de 1,5% de acidez, a legislação do Conselho Oleícola Internacional obriga que o óleo seja enviado a uma refinaria,onde a acidez é rebaixada e são eliminados defeitos, como aromas indesejáveis. O produto refinado deve ser misturado com uma porcentagem de azeite extravirgem e virgem e vendido como azeite comum.

Qual o melhor azeite

Perguntado sobre qual o melhor azeite do mundo Isaac Azar responde: “Essa é a pergunta que sempre me fazem. É o grego, o italiano, o árabe? É impossível dizer qual o melhor, o importante é saber qual o uso desejado. Para uma salada caprese, o melhor azeite é o italiano. Para acompanhar pratos gregos, certamente será o grego. Para o cuscuz marroquino é o argan, produzido na região de Agadir, no Marrocos. Também não existe o melhor vinho do mundo. Entre os melhores óleos de oliva certamente estarão os artesanais, bem cuidados.” e acrescenta “Óleo de oliva é suco, não é bebida alcoólica. Portanto, quanto mais jovem, melhor. Também tem variação de safra, como o vinho. Num ano chuvoso, a qualidade não é boa. Nos secos, a quantidade se reduz e a qualidade costuma ser ótima. No entanto, o azeite deve ser consumido no máximo até o ano seguinte ao da colheita. A partir daí, começa a sofrer os efeitos da oxidação.”

Veja mais em

http://www.internationaloliveoil.org

http://todoseu.tvgazeta.com.br/pt/videos?task=play&id=2349&sl=latest&layout=listview